Contos

Quando apenas um se importa

Ela acordou toda feliz, adorava datas especiais. Sempre passava dias planejando o que faria. E hoje não seria diferente, era dia dos namorados e ela queria fazer uma surpresa especial para seu marido. Eles já estavam a quinze anos juntos, mas sempre que podia, ela gostava de fazer qualquer coisa que melhorasse a relação deles.
Levantou bem cedo, preparou um café da manhã e deixou em cima da mesa com um bilhetinho escrito: “Tenha um ótimo dia, meu amor. Te amo!”. Se arrumou e foi para o trabalho. Estava ansiosa para o final do expediente e poder elaborar sua surpresa. Passou o dia todo com um sorriso de orelha a orelha, não podia esconder sua felicidade.
Até que enfim deu a tão esperada 18 horas, desligou tudo, pegou suas coisas e foi para o carro. Antes de ir para casa, passou no mercado para comprar o resto das coisas que faltavam. Afinal, queria que fosse tudo perfeito. Chegou em casa e já começou a preparar o jantar, iria fazer a comida preferida dele: lasanha. Normalmente ele chegava em casa umas oito horas da noite, então ela correu para que tudo ficasse pronto a tempo. Colocou a lasanha no forno e foi tomar um banho. Colocou seu vestido preto, um salto, passou uma maquiagem leve e voltou para a cozinha para terminar tudo. Tirou a lasanha já pronta do forno, arrumou a mesa com os pratos, talheres, duas taças de vinho e algumas velas. Já eram sete e cinquenta, logo ele chegaria. Ela sentou à mesa para espera-lo, estava bem ansiosa.
Deu oito horas e nada. Oito e meia e nada. Pegou o celular para ligar e perguntar se ele iria demorar muito. Não atendia. Ela, então, começou a entrar em desespero: “meu Deus, o que será que aconteceu?”. Aquela felicidade que estava exposta durante o dia inteiro, sumiu em um passe de mágica. Só queria saber se ele estava bem. Mandava mensagem e nada.
Até que lá pelas nove e meia ele chegou todo estressado. Disse que estava cansado e foi para o quarto. Simplesmente nem notou a mesa, a comida, muito menos para aquela mulher maravilhosa que tinha feito tudo isso para ele. Ela então pegou uma taça de vinho, encheu, foi para o sofá e desabou de tanto chorar. Começou a pensar o que tinha de errado com ela, que ele nem reparou, nem a beijou ou desejou um feliz dia dos namorados (que apesar de casados, eram eternos namorados). Entendia que ele devia ter passado por um dia difícil, mas nada justificava trata-la daquela maneira. Queria ir até o quarto tentar conversar, mas ficou imóvel, não tinha condições para sair do lugar. Tinha medo de ouvir palavras que a fizessem sofrer.
Ela continuou ali sentada no sofá, com os olhos vermelhos de tanto chorar e um coração totalmente partido. Mas ficou ali e, esperaria que tudo se acalmasse para tentar ao menos entender o que ela tinha feito de errado. Ficou ali lembrando que belo dia dos namorados havia passado.

Anúncios

4 comentários em “Quando apenas um se importa”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s